Tuesday, May 15, 2018

jeg a preço de jegue

como toda notícia nos tempos atuais, causou alvoroço mas logo caiu no esquecimento: jegues, dezenas, centenas, milhares deles, o animal, sendo vendidos a 1 real. quando não exportado para abate na china. além das outras tantas dezenas, centenas milhares deles, vagando pelas rodovias, expulsos de suas cidades natais, por (des)mando de prefeituras, que não sabem mais o que fazer com a população de jegues, que foram deixados de lado com o advento da praga das motocicletas. praga que está consumindo o que resta de bom das cidades do interior. o uso indiscriminado das motos, assim como o abandono indiscriminado dos animais, são dois lados da mesma moeda da tragédia humana que no brasil atende pelo nome de políticos da má política.



não por coincidência vem do ceará o jeg que vos mostro anunciado a 3.500 reais. não há muito o que comentar, já que por este preço - jeg dado não se olha os dentes, ainda que alguns indícios do bom e do ruim estejam à mostra - este jeg pode não ser um negócio da china. mas não me parece que para quem deseja recuperar um exemplar seja de mau lombo. oxalá, apareçam interessados, nem que seja para recuperá-lo, e nele meter calotas(sim, eu sei, perco os parcos leitores mas não perco a piada. sou tal e qual o jeg, não arredo casco das minhas opiniões orelhudas)













jeg à venda na olx(colaboração de opasgarage.blogspot.com)



Friday, May 11, 2018

correspondência internacional

From: Philippe Lanoire
Sent: Tuesday, December 19, 2017 8:38 AM
To: misterwalk@hotmail.com
Subject: JEG


Hello Celso
I am Philippe from France.

I hope you will understand my  bad english! Sorry I don't speak portuguese but I can read a little...

I am full in the vw 181 since my first in 1989 and I drive a vw Typ5 camper after having owned Typ 1,2,3,4...

I like the second model of JEG only officialy sold in Germany and Switzerland.

I  bought 2 JEGS in Germany because the seller only wanted to sell the 2 together...

Luckily I could  sell  the green one to my friend Dominique and I own the red one .

Best regards

Philippe


bom, imagino que alguma coisa você deve ter entendido, sendo a principal que ele comprou dois jegs de uma vez só, porque o vendedor só vendia os dois juntos.

por outro lado, a confirmação, do gosto pelas calotas vw, na moçada europeia(sei, sei, eu sou um "chato de galocha").

continuo batendo na tecla das calotas. e calota, com faixa branca, faz o jeg, o jipe,
ficar muito fru-fru, por mais politicamente incorreto que seja a frase.
 fora isto um belo exemplar, sem dúvida, ôoops! não fossem os bancos
e a visão do step, como verruga - e nunca berruga - gigante ( santo antônio
vou fazer de conta que não vi;)
mas vi o para-choques com o protetor que é a tal coisa:
quem me conhece que me compre


no brasil, diria-se gambiarra com a lanterna traseira, 
que originalmente funciona na horizontal.
mas não me parece que tenha ferido o espírito jeg.
já  quanto ao step, há controvérsias estéticas, mas a solução técnica é boa.
 no detalhe o fechamento da capota
com o item dos jipes dos bons tempos(botões turn-off)

Thursday, May 03, 2018

há quem diga que por aqui aprende-se que as"aftas ardem e as hemorroidas doem". se sim, ou se não, eis mais uma. na dúvida consulte o "tradutor".

gute farth (boa viagem) é uma revista alemã, que existe até os dias atuais e cuja primeira edição  data em 1950. 
entre 1950 e 1960, foi uma revista quase que exclusiva dos veículos vw (fusca, kombi, kg).
famosa, na década de 50, também pelas belas capas que produziu, como por exemplo as em anexo, onde o caráter minimalista(ou seja, less is more, sem muito floreado de imagem e tipologias) era uma marca e que nos remete ao jeg. 
mas, afinal, porque a gute farth estaria aqui se não fosse por causa do jeg?
"bleib ruhig"(consulte o tradutor, eu avisei) ele já vem no post a seguir.



n° 01, outubro de 1950

junho

setembro de 1953
fevereiro de 1953
*material enviado mui gentilmente(também o da reportagem do jeg) por opasgarage.blogspot.com opasgarage? se não teve curiosidade, eu tive, quer dizer, em alemão: garagem do vovô. vovozinho esperto este hem?

caetano veloso diz que está provado que só se consegue filosofar em alemão. o jeg, que para alguns não passou de vã filosofia, chegou lá.



trabalho de jeg pra o tradutor

as duas "marchinhas" não enganam. é um autêntico 4x4, minimalista,
ou clean, como quiserem(espartano diz a legenda na reportagem) sem relógios ou botões a mais
tal e qual como as capas da gute dos anos 50, lembram?
uma solução "simples"(diferencial dianteiro)como tudo no jeg
mas que funciona a contento
(será isso o que dizem os alemães?)
o tradutor gaguejou:) mas onde tem
cinzas houve fogo

    

weniger ist mehr ou o equivalente ao bom e sempre novo less is more -menos é mais-)
 pelo menos é o que diz o tradutor
em quem não podemos confiar cegamente. mas no jeg, eu arrisco



quanto a mim, a direção de arte das capas da gute, piorou - e muito -
tá muito "gute-gute" pro meu desgosto(mas isto é o que muita
gente faz com o jeg, colocando adorno em cima de adorno
fazendo-o parecendo altar de puteiro).

Friday, April 27, 2018

ainda que você me ache, digo-lhe: não seja um chato de galocha ou melhor dizendo: um jeg de calota

já o dissemos por aqui: boa parte dos jegs que estão no exterior, adotaram o uso de calotas vw. mas nem todos, ainda bem, eis a prova de e por excelência. 

reafirmo-lhe: jipe, não usa galocha meu filho. porque quem está na chuva é pra se molhar. este é o espírito jipe(jeep é aquela marca que agora vende fiat por lebre ou melhor dizendo, vende só o "gato"). e sair disto é dar tiro no pé, ou melhor na roda.

por mais que se argumente a proteção(esteticamente não tem desculpa nem santo que dê jeito)contra as intempéries do uso, seja soft seja heavy, a adoção das calotas deixa o jeg com cara de pangaré que usa polainas. e jeg não é pangaré. é puro muar, ou seja: a essência do puro e duro, nos cascos, na tradução de uma estética que muito se aproxima - se é que não foi influenciado - pela escola bahaus.

e pra não ser ainda mas "chato de calotas", encerro por aqui. entendeu ou quer que eu desenhe? tá bom, vê se aprende com a foto.

agora compare com seu jeg de galocha, perdão, com calota e diga-me lá de sua justiça, diante desta obra prima com direito a roda livre. p.s. até o sujeito de terno e gravata combina melhor com o jeg do que se ele tivesse de safári mas com um jeg de calotas. p.s. 2: o detalhe 4x4; do pisca lateral, sob o logotipo; e aquela fiação esmeradamente fixada, ficam pra depois. o firestone dos pneus é a marca que nos produz o cidade e campo, que você que estiver disposto a gastar um pouco mais pode importar no tamanho 15, já que por cá - já enfatizamos isto também - só temos o 14.

mais uma colaboração de opasgarage.blogspot.com,
cada vez mais garimpando pepitas de valor acrescentado

Saturday, April 21, 2018

dos muitos tipos de zequinha, em especial, os que valem a pena

zequinha, no universo jipeiro, quase todo mundo sabe, é "aquele singular passageiro do jipe alheio, felicíssimo por conseguir uma carona e, assim, vivenciar aventuras incríveis, por lugares onde tudo possa acontecer". mas, não se engane: zequinhas sofrem;)

há quem diga que a origem da expressão está no desenho speed racer, onde um macaquinho viajava escondido no porta-malas do carro match. o zequinha era o fiel companheiro do gorducho, irmão do speed.

o outro zequinha danado, era o de abreu. compositor, entre outras de tico-tico no fubá, não me toques, branca, sururu na cidade, e haja estrada de sucessos.

e há o de serra-negra: que não vem só, acompanhado dos filhos, responsável por esta obra artífice de funilaria no restauro do jeg dos irmãos bortholuzzi, aqui postado em seus extertores quase finais de renascimento(sugiro ver os posts iniciais quando o jeg estava em estado quase "terminal".)

ao zequinha e seus filhos, da angeli cars, de serra negra, segue abaixo um delicado chorinho do zequinha de abreu, tão ou quanto delicado, sem deixar de ser rebuscado, quão o seu trabalho. enquanto isso, eu vou de zequinha na viagem das fotos abaixo que, juro, seguindo o mandamento dos zequinhas, não vou comentar(não sei se para alívio ou gáudio do aldo e do waldir bortholuzzi).























           

                             p.s. se um pintinho no terreiro faz estrago, imagine um jeg;)

Friday, April 13, 2018

light my fire!


o jeg vinha com dois tipos de protetores dos faróis. um trapezoidal(não é triangular, faltou a aula de geometria?) e este modelo que se vos apresenta. pelas reportagens, provavelmente o modelo trapezoidal veio primeiro, passando ao mostrado. mas isso são só conjecturas não vou assinar em baixo. mas assino embaixo o primor desta frente restaurada pra valer. pois isto aqui, não é lata velha. que mostra um carro e restaura outro, pra coisa ficar aparentemente mais mastigada. não sabia disto? putz. fico imaginando seu voto, quando um sujeito que se quis presidente, trapaceia até nisto, para não falar de outros podres sem restauro, como comprar helicóptero com dinheiro do bndes, e ter mansão que invade a praia com cercas e toda sorte de aparatos que mantenha a rafameia longe. achou que passamos da conta, misturando política e jeg? tudo é política meu filho. até a sua cagada ou não em uma restauração.


lanternas do pisca, do jeep willys(willys é jeep. jeg é jipe). além destas, que aparentemente vieram primeiro, eram usadas as de tamanho maior, dos velhos e bons de guerra caminhões chevrolet, na cor alaranjada, de material menos resistente e muito estaladiço. muito embora sabedor que a finalidade do restauro deste jeg é para torná-lo objeto de coleção - e portanto longe das ruas - chama-me atenção a "colagem" da chapa dianteira na garra de sustentação do para-choque. convinha o espaço ter mais folga, porque do jeito que está o atrito é certo e documentado. e disto música não sairá para os ouvidos.


mais um pouco de colírio para qualquer olho que não esteja tapado. melhor ainda quando tivermos os 25 metros de cabo de aço enrolados no guincho. espessura? que tal você pesquisar um pouco em vez de querer tudo mastigado? não é porque o blog é de jeg que eu tenha de carregar tudo na costas. a proposta, decididamente não é esta.

p.s. este jegue, você que nos acompanha, já sabe, é dos irmãos bortholuzzi, que fizeram -e continuam - fazendo, a gentileza de nos enviar o passo a passo, mesmo quando eu perco o passo, o que, imagino, seja de vital importância para quem queira restaurar o seu au complet