Tuesday, June 19, 2018

mostrando a jante(a roda mostro não senhor) e matando a pau

raras, mas não impossíveis. eis a roda ou jante, como queira, do jipe jeg. há quem parta para outras possibilidades, mas fica sempre aquela sensação de que o morto era maior ou menor ainda. ou seja: nunca rola, literalmente, como a original. quem não se satisfaz com arranjos de pouca monta, corre atrás e tem a sua recompensa. se compensa, pergunte a si mesmo quando olhar a sua roda - melhor dizer jante - para o caso dela estar arrombada  ou perfeitamente incompatível com o figurino jeg. p.s. conseguida a jante, lembre-se que ela é 15, e os pneus cidade e campo que a calçavam agora só existem na medida 7x35x14(consulte um conversor de medidas) de maneira que ou vai usar remold ou terá de importar, já que dificilmente achara nesta medida pneus off ou mesmo on/off adaptáveis as medidas originais do jeg. mas é a tal coisa: quem procura acha até mesmo quando desacha.

aro 15, tala 5x5,5, originais, que eram calçados pelo 7x35x15 cidade e campo
( o tempo não perdoa quem anda e quem não anda)



a data estampada é o registro de uma autenticidade que não é tola. imagens gentilmente cedidas por opasgarage.blogspot.com


Wednesday, June 13, 2018

tapete mágico

conjunto de peças originais
para a restauração do jeg teto rígido
de opasgarage.blogspot.com

Thursday, June 07, 2018

pra não deixar escapar nada

escape do jeg: eis outra vítima das incontáveis adaptações desbaratadas, maioria delas levadas as últimas consequências por mero descaso, ou preguiça constante de esmerar-se(precisa?) na pesquisa básica - se não o original - sobre o que poderia ser mais adequado ao escape de um jipe(acredite, ainda tem gente que pensa que o jeg é fusca, e tasca-lhe dito cujo escapamento).

dando continuidade ao trabalho de sísifo*, que é buscar elementos que proporcionem referências originais para seu jeg( e pro meu, ora, ora) eis que nos chega, e portanto a vez do, escape original. nada que não possa ser conseguido sem maiores delongas, via adaptação, já que o original, hoje, pelos vistos, só nos depósitos, presumo, da qt engenharia. na falta, sem mais delongas, não meta escape de fusca. não detone o coice do seu jeg. escapes de brasília, ou da variant, oferecem um "sonido" em conformidade com o que se espera do barulho de um jipe, e você ainda pode, sim, adaptar, curvatura e embocadura para dar-lhe ronco mais encorpado. portanto, não tem desculpa, não me venham com chorumelas.



detalhe de saída única do escape original do jeg
(também presente no escape de brasílias e variants
também no "zé do caixão").



sempre do lado esquerdo, curvatura ascendente,
dá jeito em travessias. mas não exagere



fotos do escape original, ainda sem uso, com marcas da estocagem,
a ser empregado na restauração do jeg teto rígido
de opagasgarage.blogspot.com
que mui gentilmente nos enviou as fotos




escape brasília, mais próximo do original do jeg, pelo fato da ponteira ser esquerda



escape brasília carburação dupla



escape variant 2


escape variant original

* sísifo: personagem mitológico, condenado, por toda a eternidade, rolar uma grande pedra de mármore com suas mãos até o cume de uma montanha, sendo que toda vez que ele estava quase alcançando o topo, a pedra rolava novamente montanha abaixo até o ponto de partida por meio de uma força irresistível, invalidando completamente o duro esforço despendido. foi um castigo dos deuses(sempre eles) para mostrar ao mais inteligente dos homens de então quem era que mandava no pedaço.

Thursday, May 31, 2018

filtrando o que deve ser filtrado

da importância do filtro de ar, todo mundo sabe. mas mantê-lo limpo é que são elas. num jipe então, só mesmo trilheiro doutrinado e fissurado. mas a limpeza pretendida aqui é outra.

item difícil de encontrar num jeg, o tal filtro de ar original. boa parte das gentes usa o de brasília, que fica prensado, já que o espaço não foi pensado para isto. o de fusca, é uma heresia que me recuso a aceitar. há quem use os das kombis modernas, menos mal, e eu, na falta do original, uso o das kombis mas antigas, que também equipava os corcéis mais antigos. é uma geringonça bem rústica, que segundo meu pouco juízo vem a calhar para o espírito jeg/jipe(na falta do original, porque nada substitui o original).

alguns sortudos que tiveram a sorte de ter o filtro de ar original em seu jeg, simplesmente o descartaram sem a menor cerimônia. pragas que lhe roguei, nem vou contar. entre alguns que conheço, só um deu-se ao trabalho de restaurar o mesmo, recuperando sua eficiência funcional, e estética, por um custo menor do que se comprasse um novo, e fazer uma adaptação daquelas que levam marteladas por aqui.

então para filtrar de vez o assunto, eis as fotos do filtro original do jeg, cedidas gentilmente, mais uma vez, por opasgarage.blogspot.com, que vai somando pontos cada vez mais no processo de restauração do seu jeg teto rígido. são estas partículas benéficas que o voudejeg tende a aspirar.









p.s filtros zerados. as marcas são do tempo de estocagem.


 onde foram adquiridos? bem, um dia, quem sabe, ele possa contar. por hora é segredo de estado.

Friday, May 25, 2018

pra você não perder a direção

detalhe do volante do jeg, com a tampa da buzinha original
( da chamada kombi corujinha/pororoc
a)


nos primórdios do voudejeg, quando ainda tateávamos sobre informações dos itens originais que compunham a miríade de componentes do jeg, chegou-nos a informação de que o volante do jeg era o mesmo do trator valmet. o que foi um alívio para quem acreditava que o mesmo pertencia a mercedinha 608, nada mais falso, inclusive publicado com a melhor das boas intenções, aquelas que moldam o nosso inferno diário.

o volante é um item de significado prático e psicológico dos mais importantes. quando colocamos as mãos nele, significa que estamos tomando a guia da direção que pretendemos seguir. e, neste caso, o que tem de gente indo pelo caminho errado, com adaptações de volante que deixam o jeg com cara de sedan, o que, não perdoamos, mas nem fodendo.

conversando com gente que está restaurando seus jegs au complet, chegou-nos a informação de que os volantes do jeg, eram fabricados pela "petri", fornecedora de peso, do item volante, para as grandes montadoras. e, surpresa!, lá estavam nos volantes do trator valmet, o logo da petri

pelo sim, pelo não, das fotos, não posso rubricar que seja o item 100% original, ou seja, que foi realmente este empregado no jeg. mas é o mais aproximado, e vale pelo que representa para o seu jeg que não merece usar um volante qualquer.





logo da petri na parte superior
do volante utilizado no jeg.
referência do volante à vista
fixação do volante por chaveta





outra questão de força, é o tampo da buzina, que é o da kombi corujinha, disto temos a certeza menos incerta. acontece que este item, costuma estar na casa dos 200, 300 reais, o que é um desestímulo - com se precisasse - para a fuga ao original, e mesmo ofertas, rara, com agora, no mercado livre, em torno dos 100 reais, afugenta o "restaurador" como o jeg foge do lanterneiro martelinho que hoje há em cada esquina. a solução, vem também da valmet, sob a forma da tampa que custa 7 reais. tem lá a marca da valmet, que você pode mascarar ou não. mas convenhamos, se o jeg é um "tratorzinho", isto não seria nenhuma verruga, ao contrário dos botões desenraizados que já passaram por aqui.








Resultado de imagem para volante do jeg
não olhe para os botões. não perca a direção;)
nas fotos abaixo, gentilmente fornecidas 
por opasgarage.hotmail.com
o resumo da ópera






Tuesday, May 15, 2018

jeg a preço de jegue

como toda notícia nos tempos atuais, causou alvoroço mas logo caiu no esquecimento: jegues, dezenas, centenas, milhares deles, o animal, sendo vendidos a 1 real. quando não exportado para abate na china. além das outras tantas dezenas, centenas milhares deles, vagando pelas rodovias, expulsos de suas cidades natais, por (des)mando de prefeituras, que não sabem mais o que fazer com a população de jegues, que foram deixados de lado com o advento da praga das motocicletas. praga que está consumindo o que resta de bom das cidades do interior. o uso indiscriminado das motos, assim como o abandono indiscriminado dos animais, são dois lados da mesma moeda da tragédia humana que no brasil atende pelo nome de políticos da má política.



não por coincidência vem do ceará o jeg que vos mostro anunciado a 3.500 reais. não há muito o que comentar, já que por este preço - jeg dado não se olha os dentes, ainda que alguns indícios do bom e do ruim estejam à mostra - este jeg pode não ser um negócio da china. mas não me parece que para quem deseja recuperar um exemplar seja de mau lombo. oxalá, apareçam interessados, nem que seja para recuperá-lo, e nele meter calotas(sim, eu sei, perco os parcos leitores mas não perco a piada. sou tal e qual o jeg, não arredo casco das minhas opiniões orelhudas)













jeg à venda na olx(colaboração de opasgarage.blogspot.com)