Monday, May 06, 2013

o prometido é devido. mas se não fosse o jeg eu não chegaria até aqui

em agosto de 2011, recebi um email de brian o´kelly relatando ter dirigido este jeg 4x4, a época com 385 km. o jeg pertence ao frank atkinson, que vive em atascadero, califórnia,usa, cuja foto, discreta, publiquei na sequência. no email ele me indicou o link para o album do photobucket onde estavam reunidas mais de uma centena de fotos, e um vídeo que postamos aqui às vesperas do carnaval de 2012.

material extenso, raro, não só pelo fato de ser um protótipo do jeg 4x4, o raro dos raros, como pela fartura na documentação fotográfica, que sem dúvida ajudará muita gente que necessite restaurar seu jeg, seguindo padrões de originalidade - uma das bandeiras do voudejeg que parecem incomodar muita gente, talvez pelo estilo adotado*. sorry.

pois bem, levei um tempão para ordenar o material e anunciei sua postagem para o carnaval(de 2012) quando teria tempo de dar os retoque finais. pedegrulhos do destino, meu computador foi avariado por um destes programas que visam impedir que o computador fique avariado. e eu, fiquei ainda mais avariado, porque estupidamente não fiz backup - é como viajar de jeg sem levar algumas peças sobresalentes - e também, porque perdi não só o material do vou de jeg(haviam fotos de outros jegs,etc) como de resto por tudo que perdi.

promessa em cima da promessa, anunciei que reorganizaria o material novamente e o postaria. demorou - muito - mas está aqui. faça bom proveito quem é de bom proveito. quem não o for que fique com o seu carnaval. que o nosso - muito antes de 2012 - é este aqui.

bon voyage.

p.s. seria um estilo assim tão abusado que fez com que os donos de jeg participassem tão pouco do voudejeg?(de acessos vai muito bem, até aumenta quando posto pouco;) não me tirou o sono - já estou acostumado a ser outsider e não agradar as massas(ainda bem) - mas uma das coisas que me intrigava é que sendo tão poucos e tão raros, e tão pouca informação disponibilizada,os donos de jeg não participavam do espaço - aberto a todos que assim o quisessem, se não em publicações de fotos dos seus jegs, talvez por receio das "descascadas", no compartilhamento de dúvidas, problemas, soluções, que tenho certeza são muitas, a começar pelas dúvidas minhas que são às dezenas. conto nos dedos quem me contactou(alguns com boas dicas,aqui repassadas, outros que prometeram e não deram continuidade). mas enfim, menos pelo fato de de ter sido um americano - que podia estar abraçado a seu wangler - mas sim por ser um entusiasta de outras terras que tomou a iniciativa de mandar este material. o voudejeg fica feliz por fazer a sua parte e pelo aparte do brian. e viva a todos os "little jeg bastards".

grades que não aprisionam; apenas protegem( mas só quem está do lado de dentro)

os jegs tem dois tipos de grades protetoras de farol. a que vemos acima e a em formato trapezoidal, cuja fixação é diretamente no para-choque. ambas fazem valer a sua função estética marcante mas creio que a fixada no para-choque tem mais apego à função protetora(por favor não vá colocar uma de cada lado. não duvide porque tem gente capaz disto e muito mais).

ao contrário do vagalume piscam forte na dianteira



a lanterna da luz de pisca é de caminhões, salvo engano dos chevrolets antigos.vou verificar. sempre comprei em lojas de caminhão e nunca me toquei: normalmente elas ficam em meio a dezenas em mostruários de parede. fácil de achar até em beira de estrada e barato. vai encontrar em branco, vermelho e, mais adequado, amarelo âmbar. pisque pois.

quase tomando assento já que não dá para tomar tento

não fosse esta pontinha e eu diria que a capota está mais bem assentada do que a da kombi lá ao fundo.

não não é cama elástica


esticadinha assim nunca ví. capota é um dos pesadelos dos jipeiros em geral e mais aterradores ainda para os donos de jeg. portanto quem a tiver assim - o que duvido muito - reze para não chover canivetes.

convidativo não?

agora se for embarcar, feche a tampa do motor e é claro a sua porta. que as postagens são muitas para não dizer longas.

p.s. apertar o cinto ou não fica por sua conta. mas vai que tem muito "catabiu" nos textos?

o buraco não é mais embaixo

dificilmente você terá esta visão ao vivo e em p&b. a aleta de respiração manufaturada originalmente em "baquelite". há quem refaça em fibra, em ferrro, ou parta para adaptações que é melhor nem falar. as vezes é melhor deixar o buraco aberto porque o buraco não é mais embaixo mas também não é para ser tampado a tapa.

Sunday, May 05, 2013

minha nossa!


é quase a visão do paraíso - mesmo sabendo que o paraíso é cheio de sacanagens;) - note-se proeminência dos cromados do escape do fusca um tanto ou quanto deslocados para um jeep - vamos bater nesta tecla - assim como as calotas de "herbie", mal menor, e que ficam melhor no "the thing", muito embora,reconheço, exerçam a função de proteção dos parafusos de rodas(mas uma calota central preta tem muito mais a ver com quem usa roda livre na frente).há que se destacar a inclinação da capota que também encontrei noutros jegs pós 78 cujas capotas são retas atrás. se a inclinação veio a posteriori como uma alteração para melhorar o escorrimento da água de chuva, por exemplo? não sei, mas pode ser, poder ser.

mais do mesmo


quase o mesmo ângulo, nesta, sutilmente, a tampa do motor está levantada.

a isto chama-se design. e bom design não envelhece

rudimentar que seja. mas funciona e tem um charme que as eletrônicas vão morrer sem conseguir sequer sequer o que é

só tem uma bolsa que cabe mais coisas do que as de um jipe: bolsa de mulher

muito antes de inventarem a denominação de porta-trecos, o jipe cuja denominação ou pelo menos uma de suas origens vem de veículo gp - general purpose - para uso universal - os "geeps" já tinham seu porta-trecos e os escambau. a bolsa em questão além de ter muita bossa também destina-se a  uso universal. o que já coube dentro dela deixaria muita mulher roendo-se de inveja. eugene the jeep não teria pensado coisa melhor. mas pensando bem ele não pensaria que a mão grande da modernidade praticamente deixou as bolsas vazias seja pelo afanar seja pelo medo de colocar o que seja nelas justamente por isso.

se correr o bicho pega. se ficar o bicho come

detalhe da roda livre e da jante original que equipava o jeg, exatamente como mostra o post que trás fotos da quatro-rodas sobre o teste entre o jipe jeg, o jipe willys e o jipe(sim, é um jipe em sua documentação) gurgel, postado há anos atrás. esta roda como diriam os bardos, é o bicho! e ainda pode ser encontrada, inclusive em "aros 15".

aqui o bicho pega mesmo ou california no dreams

atentem para o detalhe - não do mau acabamento da chapa sob o para-lama que é a prática típica da varrição para debaixo do parede(é por baixo ninguém vai ver então deixa a merda correr solta)mas sim do pneu recauchutado sobre uma carcaça,carcaça mesmo pois nem mais para isso serve, tamanho o estado de deterioração da borracha toda gomulada e trincada por ressecamento do "sol da califórnia" ?

pisca logo, que dizer pisca lateral e logos

no detalhe os ditos-cujos, lembrando que este pisca-lateral não é original mas vá lá que seja, integra-se ao jeg sem maiores problemas mas ficaria melhor se incrustado entre o logo 4x4 e o logo jeg com as devidas centralizações. fazer o quê? é da minha natureza;)

visagem do lado direito


o outro lado da moeda, nesta destacando a fixação das portas na carroceira por parafusos "desalienados".

olha só que estúpido

de outro ângulo a lateral esquerda do jipe jeg, onde destacamos o modelo sem estribo tubular que tem mais adeptos por aqui - eu por exemplo, não sei se lúcida ou bestamente, cortei o este falso estribo na base dos para-lamas dianteiro e esquerdo e coloquei o estribo tubular fielmente em fixação e características ao que saia de fábrica. se isso foi estúpido não sei. mas tenho certeza que jogar fora o que foi cortado foi de uma estupidez sem tamanho

como diria o fernando pessoa

"no começo você estranha, depois você entranha".era um slogan para coca-cola na terra onde já foi proibida de ser tomada pela ditadura de salazar, dizem as más línguas uma das raras boas medidas. em nosso caso o que você pode estranhar é o espelho que foi adaptado para funcionar no alto e não sei se pelos motivos que imagino mas dou corda: ficarem fora da visão do falso quebra vento de plástico - que neste jeg não estavam montados por ocasião das fotografias e que você vai ver em "posts posteriores" estavam guardados no porta-malas(jipe tem porta-malas?! bom. os novos tem;) - e que com o tempo amarelam(o jeg não amarela nunca nem os pintados de amarelo) e não permitem a visão. mas pode ser que não. que sejam coisas da américa do norte onde tudo é para o alto e para cima. bom, pelo menos tudo que eles querem que vejamos assim. na "quina" do para-brisa você vê outra adaptação para que o para-brisas fique calçado sobre o capô. a dos jegs no brasil você sabe, eram tipo dois ganchos aparafusados na base do para-brisa, como nos willys miitares(o jeg é um militar reformado, também não sei se você sabe - tá bom, nem chegou a engrossas as fileiras e já lhe deram baixa) com uma borracha para absorver impactos e poupar o capô de riscos, maiores do que os que se pode ter trafegando com o para-brisas "arriado". antes esta ideia de risco não era disseminada. mas agora com a politicagem do políticamente correto tudo deve ser evitado. ao que parece até os riscos que nos lembram de estar vivos.

....da janela lateral do quarto de dormir....

visão da lateral esquerda com o espelho retrovisor fora da possibilidade de embaçamento do plástico do quebra-vento,e os miséráveis ilhoses por toda a parte. para não perder o fio da meada, a "engenharia" do fio que ainda me pergunto de quê? - tenho minhas suspeitas mas preciso averiguar - que pressupôe no problems caso queira usar o para-brisas basculado, ou seja sobre o capô - o que também hoje é proibido pela legislação no que cabe o aparte: legislar todo mundo legisla, agora fazer estradas duráveis e minimamente aceitáveis - sinalização, ângulos de curvas, escoamento, etc, no etc, incluindo "guardas" profissionais técnica-ética e moralmente falando - isto ninguém faz. então vamos proibir de bascular o para-brisas que é para mostrar que estamos preocupados com a segurança do contribuinte, este zé-mané que paga impostos sobre tudo e só recebe multas - isso quando recebe.

xixi de ferrugem

ou pode chamar de baba de cuspe. é isso que acontece com o tempo. o plástico amarela e fica embaçado e isso não tem nada a ver com cenas do tipo "transa titanic".

nestes casos é melhor ficar toda enrolada

para não ter que andar com ela amarrada, fique de olho nas molinhas que fazem o movimento de enrolar e desenrolar lubrificando-as de vez em quando. não é todo capoteiro(argh!) que se atem a refação das molas. só se for especializado em jipes e entre a especialização e o faz de conta, ainda assim há pouca gente que é muita para o faz de conta.

sem mossas



lateral esquerda do, nunca é demais dizer, belíssimo exemplar de jeg, mesmo com algumas mazelas de gosto pessoal, do dono ou nossas;) mas que não fazem ou fizeram mossas.

era girar e desgirar e tudo ficava nos trinques


detalhes da lateral da capota e da fixação em baixo que já não conta com os tradicionais fechos com auto-lingueta que eram a marca das capotas de jipes que se prezavam(bastava fazê-la girar para soltar e fazer o movimento inverso para prender). agora vai alí no cromadinho vagabundo do tipo ilhoses cujo encaixe não é seguro. mas ainda assim a capota mantém a linha. mas sinto falta, sinto muito.

flash-back das "talalargas"

quase close do que falamos anteriormente. em desta a aleta de ventilação e a jante que equipavam os fuscas dos anos 60/70 por aqui, e suas calotas

capota é como peruca. mal feita não tem nada pior

foi-se o tempo em que as costuras eram milimetricamente alinhadas. por isso,vou parar de resmungar(capoteiros e fazedores de capota são caso de polícia se a nossa polícia não fosse tão capoteira) e fiquemos com está que está bom tamanho. observe que o par de "tachas" cromadas é onde fica o gancho que completa o fechamento da capota naquelas "presilhas" que também tem serventias diversas.

Friday, May 03, 2013

intermezzo(outros hão de haver ou seria outros hão de ver ?;)


vá ao tradutor do google


detalhe da parte traseira da tampa do motor. este modelo é a versão traseira reta - tábua de passar - original sim, o que significa que foi fabricado após 78. observe que abaixo do para-choque tem o item da máscara para cobrir o vão entre o escape e o mesmo. is not good. e é ugly pra chuchu.

mais desempenho e economia. mas só para os bem regulados

a dupla carburação assusta muita gente, o que não deveria. com ela seu jeg tem mais desempenho - seja a alcóol ou gasolina - e economia, bastando para isso pegar a "mutreta" da regulagem que, sim, não é fácil, porque mecânico trocador de peças e picareta não sabe. mas pra quem sabe a afinação é fácil e rápida. não sou de dar conselhos mas se não sabe regular seus carburadores, procure um mecânico das antigas e pague a ele - não para regular - mas para lhe ensinar a fazer isto. encare isso como um curso de fim de semana. pague bem e dê gorjeta. se o cara for bom e honesto(há o detalhe do pulo do gato) você sairá lucrando e vai tirar isso no gasto com combustível e no fim das aporrinhações. há sim, aprenda também a limpar o carburador. não consegue aprender? então meu caro, vá amarrar seu jeg noutra freguesia. e tem mais: não deixe fiações como a que vemos "arriadas" (soltas) no seu motor. presilha é barato, prende e pronto. isso não precisa de curso. até eu sei fazer.

mangueiras que não dão manga



close do motor vw com destaque para as mangueiras do que mesmo? do filtro de ar para o motor? ou do sistema de arrefecimento(num jipe?) ou só para compor a paisagem? sim, a mangueira que aparece solta acima, é falta de presilha. atente para o detalhe da cabeça do carburador que funciona sem filtro de ar, of course, pois eles estão nas extremidades laterais como vamos a ver.

ficha limpa, junta suja, cara chato

detalhe da numeração do carburador(sim carburador que se preze tem número) e do motor.
p.s. a junta do carburador já deveria ter sido trocada - mas que cara chato, é verdade, às vezes nem eu me aguento. mas o meu jeg me agradece, coisa de quem é mais inteligente - e educado - do que a "cavalgadura" que vos escreve.

chapéu coco

detalhe filtro de ar lado esquerdo jipe jeg dacunha. ao fundo a aleta de ventilação do motor.

chapéu coco II


detalhe do filtro de ar direito do jipe jeg. esta versão é ainda mais alta do que os usados nos motores da brasília que normalmente equipam os jegs por aqui(há quem use o filtro de ar da kombi ou ainda do corcel I, ambos cilíndricos, sendo o do corcel um pouco menor). não sei se uma versão própria aos motores boxer vw no mercado americano( se for no fusca há que ter ressalto na tampa por conta da altura) ou de carro que desconheço.

se for dirigir encha o galão

detalhe do galão "fantasia" de combustível - a legislação não permite o transporte e ou estoque de combustível fora do tanque de gasolina. se isso se aplica ao galão? sei lá, diria o bardo, depende do valor da bola. bola fora ou não, há diversas maneiras de se prender o dito cujo. nos jegs de traseira inclinada há já um encaixe que facilita bastante o pendular da massa - até se partindo do pressuposto que ele estará cheio, bastando uma fita de aço ou militar, como a que vemos na sua base. nos de traseira reta ou tábua de passar, a base é indispensável. agora, o galão de 20 litros, quase um standard, parece muito grande para o jeg. em termos estéticos o de 10 litros vai melhor. e há uma versão(postaremos fotos depois) que é a metade deste, parecendo que foi feita de encomenda para o jeg. se é original: bom aí é outro galão. o fato é que o original de fábrica, saía até com o logotipo estampado, conforme matéria/teste da quatro rodas.

de caráter reto ou recto lusamente falando

os ângulos retos característicos do design do jeg em toda a sua plenitude na traseira. no sistema de sinalização, a lanterna da kombi que faz jus ao leiaute.na tampa do motor, um item que costuma dar dor de cabeça a muita gente: a folga constante dos parafusos que pode ser resolvido mediante o uso de "aliens".

é muito detalhe para uma traseira só


detalhes diversos da traseira do jeg:lanterna de piscas, luz de freio e ré "universais" da kombi. modelos anteriores trazem lanternas redondas, as mesmas usadas em caminhões e que vem no modelo com traseira inclinada; a fatídica grade de embuste do espaço entre para-choque e escape; a base do galão; o fecho da tampa do motor também é das kombis antigas - se quiser usar o das novas, que vem em preto fôsco, que penso que mais bonito do que o cromado, tem que fazer nova furação e adaptação no curso. não é plug play não. mas vale a pena.

dois bicudos não se beijam

detalhe em ângulo obliquo superior do fecho do tampo do motor, para-choques e ponteiras do escape, além de parte do dito cujo. agora aquele treco cromado ali bem no meio não sei o que é não ou o cansaço me impede de atentar o que é. quiçá depois descubro.

olhando por debaixo da saia

nesta versão,como já vimos, não temos o estribo em cano, que é standard para alguns jegs. aqui não há estribo e sim um prolongamento dos para-lamas que se ligam pela chapa como se fosse um rebordo de tamanho aumentando e mais bem acabado.

olhando por debaixo da saia - de novo porque isso é sempre muito bom

detalhe da parte inferior da carroceira. estruturas preservadas, túnel intacto.

pneu novo, e sistema de freios "lacrado". eu disse lacrado e não lacraia

por outro ângulo a suspenção dianteira já a mostra e o detalhe do braço de condução de força do diferencial para as rodas, ali por trás do amortecedor. a banda de rodagem está de bom tamanho(mas recauchutados, os pneus tem na velha matriz problemas de ressecamento e fragmentação como vimos anteriormente. como o jeg não galopa, só trota, o perigo é menor. mas ainda é um perigo) a proteção "vedada" aos freios é item que deveria ser seguido por todos. ajuda em muito a conservação da manutenção. mas lembre-se que não é a prova d´água(nem os rolamentos). falei o óbvio. pois é: o óbvio costuma encalacrar muita gente justamente porque é óbvio

morde e assopra

quase close da caixa de transmissão e sistema de condução de força para as rodas. este jeg não usa a manga de eixo dupla, artefato que muita gente prefere fazer uso para deixar jegs com vão ainda mais livre na dianteira e no seu todo, facilitando o uso de pneus mais altos - já vi jegs com pneus 16, os que equipam os willys. pneus mais grossos vão sempre raspar na carroceria e exigem adaptações que sinceramente não sei se vale a pena. entrou na areia? o velho(e as vezes esquecido) recurso de sempre: murche os pneus que a relação peso potência do jeg é favorável na maioria das situações. mas depois, não se esqueça de encher os pneus novamente. e acredite sem bomba ou spray de enchimento rápido você não vai inflar os pneus por mais que infle sua bochecha.

como diriam os portugeses, bestial!



detalhe da suspenção dianteira onde se vê a caixa de transmissão e o sistema de condução de força para as rodas.

faz a diferença também no braço

detalhe da suspenção traseira onde se pode ver as homocinéticas(na verdade deslizantes) e o braço de sustentação que é diferente - não saberia dizer se mais efetivo/confortável/resistente do que o sistema de eixo usual. trolls, gnomos de plantão, opinem: mas cuidadinho nas besteiras que vão dizer que por aqui já bastam as minhas

só não transmite dados. o resto vai

detalhe do "varão" transmissão em sua conexão traseira. agora estas mangueiras me encasquetam. continuação das que saem lá do motor? cartas à redação.

quase strip-teaser

começe a se deliciar ou resmungar(por não ter) com a visão da caixa de transferência dianteira do jeg 4x4.

olha ela ai de novo gente!

visão do paraíso ou do inferno para muita gente. a caixa de transferência dianteira da qual muito se ouve falar mas quase nunca se vê. pudera! folclore ou não há quem jure de pé junto que só foram fabricados um ou dois jegs 4x4. lenda urbana? se for, que apareca um troll ou gnomo para confirmar. e mais ainda, 4x4 só foram fabricados pela qt e não pela dacunha. é vero? não saberia dizer.

nu e cru

temeridade. motor sem proteção do carter. falamos nisso mais adiante. mas, tirando o escape, a visão é bela.

the other side

o escape tradicional do fusca não parece combinar com o psiquè du rôle que nos passa a imagem de um jipe. mas não deixa de ter a sua graça marcando sua origem. pessoalmente prefiro usar o escape da variant(em preto), cada vez mais difícil de encontrar e, na sua falta, o de brasília, em fosco mas nu e cru sem aquela grade para disfarçe do vão. mas já usei escape adaptado - de buggy - com a saida para cima. uma opção que esteticamente, no meu caso, não recebeu o cuidado que merecia, mas que penso fazê-la como deve de ser. só não recomendo, a lateral, tipo os toyota do exército. fica parecendo que além de botar para o lado a coisa ficou de fora o que pode parecer adequado para o que se "tornou" convencional esperar da imagem de um jegue. mas não se esqueça que o nosso jeg é jeg, suprimiu duas letras. então, se você for adepto do avantajado, suprima ai uma duas polegadas que já fica de bom tamanho.

esquerda à seco

visão parcial de motor e suspenção lado esquerdo. olhando no sentido longitudinal você já vê o diferencial dianteiro o que não existe, of course, nos jegs 4x2(mas não fique complexado com a "falta do varão").

direita mijada


visão parcial do motor - lado direito - e suspensão do jeg. note-se pequeno vazamento pelas canaletas - e por falar nisto nunca coloque canaletas "pebas" no seu jeg(peba é vagabunda,similar,etc). principalmente se você não dispôe de protetor de carter, que é um dos pecados deste jeg. lembre-se que no brasil não existe modo street. você está sempre em off-road. tamanha a quantidade de buracos, enchentes, boca de lobo abertas e o que mais você nunca pensaria encontrar numa trilha mas que na cidade " é mato".

roda roda e apita (mas não encha a nossa paciência)

detalhe da buzina do jeg fixada sob o para-lama dianteiro esquerdo.
nunca é demais relembrar que se você faz trilhas ou pega estradas lamacentas ou com pedregulhos não é o lugar mais adequado(no vão central, entre os para-lamas pega melhor).
contudo o mais importante é que você não seja mais um tonto a colocar aquelas buzinas navais e ou relinchantes e sirenes no seu jeg. a buzina do fusca(são duplas) vai bem. e se quiser um bip-bip com mais ataque, instale a usada nos mercedinhos. é ligeiramente mais encorpada e marca presença com mais força. e se não for demais, se me encontrar na rua: acene. não toque a buzina desenfreadamente como se o quarteirão inteiro precisasse ver que você está me cumprimentando. até porque se buzinar eu não olho. e se olhar já estarei puto e retribuindo o "cumprimento" com sons nada condizentes com gestos de cortesia.

Thursday, May 02, 2013

protege tanto ou mais do que o santo antônio

eis mais um "apetrecho" original do jeg raríssimo de se ver no dia a dia - o protetor, chamemos assim, da barra estabilizadora, eixo, canelas e etc.
eu mesmo, tive de mandar fazer - chapa 16 - e fiz daquele material frisado que se usa muito em off-roads e assoalho de ônibus, com a recomendação de que o lado liso ficasse para fora para remeter a originalidade. adiantou? porra! nenhuma. o tal lado frisado ficou para fora. e ainda estou digerindo o pacote. de qualquer maneira tirando o solavanco estético, ficou o funcional. vai para o preto fôsco com vontade que é para ver se disfarça.
agora voltando a vaca fria, há muitas maneiras de prender esta chapa e ainda não consegui descobrir qual a original, pois os exemplares, raros, que encontrei já estavam com fixação adaptada. neste caso penso que a chapa está próxima demais ao para-choque, decerto para aproveitar furação e eliminar suportes intermediários. mas o preço disto é a mudança da inclinação o que faz, como vemos, o eixo sair da esfera da proteção da chapa um item importante a ser protegido, principalmente se você for metido a indiana jones. em post anterior - bem anterior - publicamos imagens de testes da quatro rodas sobre o jeg, onde bem se pode ver a chapa protetora cobrindo toda a parte frontal - incluindo o que se vê aqui a mostra - o que me parece mais certo. posteriormente vamos publicar alguns exemplos de como foi fixada, incluindo a minha opção.