Sunday, April 20, 2008

sobre money, paciência, paixão, paus e pontapés


havia prometido voltar. sabia que não seria em breve. mas com certeza não era para demorar tanto. razões? principalmente a falta de novos materiais sobre o jipe jeg dacunha.

sabemos que existem rodando por ai umas boas centenas de jegs. mas na internet eles não tem dado as caras. tampouco seus donos, que poderiam contribuir imenso com suas histórias, dicas, relatos de restauração, etc.

mas se o próprio criador do jipe jeg dacunha, cel.catharino, como é conhecido - pelo menos é esta a referência, muito embora haja versões sobre a existência de outro projetista - anda recluso, e fugidio aos apelos dos aficcionados que certamente podereriam adquirir um imenso acervo de conhecimento - já nem falo das peças, que em entrevista aqui reproduzida, mostrava-se disposto a comercializar, mudando de idéia logo a seguir, não se pode exigir muito dos demais donos. respeita-se claro as idiossincrasias de cada um. mas faz imensa pena, o recolhimento imposto por alguém que, repito, poderia fazer imenso por todos aqueles que mantém firme a admiração, o orgulho, e porque não dizer a teimosia em manter seus jegs operando.

entre os possuidores de automóveis antigos podemos distinguir alguns tipos: os endinheirados empertigados, os endinheirados apaixonados, os apaixonados com algum dinheiro e os apaixonados obstinados, que mesmo sem posse elástica permanecem fiéis ao que se tornou paixão das suas vidas.

não é preciso pensar muito para se concluir quem é a maioria dos proprietários de jegs. e a falta que sentem de informações e de alguém que lhes aumente a obstinação em conservar, adquirir, melhorar, salvar o seu muar. por isso mesmo também, é grande a decepção quando alguém promete materiais e desaparece ou mesmo o fato de não haver uma colaboração maior entre cada um que possui ou admira o jipe jeg usando ou não este espaço, que nasceu para ser dedicado exclusivamente ao jeg mas acabou flexibilizando o espaço aos "primos tortos", justamente para não ficar tanto tempo sem publicar algo.

estamos voltando devagar, como devagar vamos iniciar uma restauração do nosso jeg, que deve durar cerca de 18 meses aproximadamente e que espero renda bom material iconográfico e de dicas que serão disponibilizadas a todos os leitores. a idéia é retorná-lo ao original. entendendo-se como original a versão(não a cor)militar que lhe deu origem, demarcada pelo step no capô, por exemplo. não iremos transformá-lo em 4x4, por que não vemos esta necessidade mas sim, pretendemos instalar a flange dupla e um bagageiro no teto.

talvez este prazo seja otimista. afinal: a paixão modela mas não realiza a transformação do orçamento curto em curto tempo desejado há tanto tempo para que o restauro fique completo e perfeito.

mas, predicados do jeg - uma das coisas que me ensinou - há que se transformar a teimosia em obstinação. a obstinação em paciência. a paciência em ferramenta de ação, lenta porém contínua, rumo a transformação que se refletirá não só no jeg como naquele que o transforma sendo assim também transformado, espero, para melhor.

hakuna matata!

p.s. ilustrando o post, o jipe jeg 79, reformado pelo jomar figueiredo, que foi garimpado estando a venda anunciado num classificado por 12.800 reais.

4 comments:

Erik said...

Olá e desculpe cara. Tentei te explicar o que tava acontecendo na época.. mas na verdade nem eu mesmo estava entendendo.

Não culpo ninguém e sei que prometi demais sem saber se podia confiar na pessoa. Espero que não estejas a guardar isso como um mau sentimento. Quero bem à todos os Jegueiros e gostaria muito de contribuir para uma comunidade mais unida. Para postar experiências e fotos, como faço? Vi que queria mais material.. Que tipo de material?

O que eu acho interessante agora é um tópico que eu tava pensando em escrever mas ainda não tenho dados suficientes de todos os modelos 4x2.

(4x4 eu já desisti)

O tópico seria: "Como deixar o teu Jeg original?"

Muita gente muda detalhes que acabam mudando a aparência do veículo.. Como por exemplo, Lanternas de gol na traseira, Bancos de tempra, etc.. O tópico não seria para incentivar o povo a não mudar a originalidade do veículo e sim trazer informações detalhadas de que peças podem ser usadas para manter a originalidade se possível e quais peças que não se encontram mais podem ser adaptadas, que não mudem muito sua característica de Jeg.

Também detalhes opcionais que eu estive pesquisando.. Exista muito fusca com ar condicionado por aí.. Tb, conversão pra gás (mantendo a gasolina), motores boxer turbo ou com a litragem modificada pra 1.9 ou 2.0 para dar uma forcinha a mais no bichinho.. Ninguém fez isso ainda mas eu acredito que se pro fusca fica bom, pro Jeg, fica melhor ainda.. Estou planejando ainda em como fazer a minha capota.. No momento me apresentaram duas alternativas que eu gostei.. mas ainda estou indeciso. Vai depender muito da qualidade de serviço da empresa e do material.

Depois disso quero pintar a carroceria dele.. mas isso vai ser demorado e desgastante se eu tiver que fazer isso eu mesmo... mas isso fica para outra vez.. Dessa vez que eu for ao Brasil, vai ser só a capota mesmo e instalação de alguns acessórios como faróis auxiliares, módulo de som, alto falantes, geladeira/forno móvel, aquecedores. (geladeira = boa pra viagens longas) e o sistema elétrico pro gps.

A idéia é poder deixar coisas sensíveis removíveis para que eu possa fazer trilhas em paz sem ter que ficar com medo de alguma coisa pegar água e estragar...

Celso. se vc achar alguma coisa que te interesse na comunidade do orkut, pode publicar aqui. O legal é ter o pessoal informado para manter o Jeg vivo.

[]'s à todos

celso muniz said...

erik: não há porque guardar maus sentimentos. cada um faz o que pode. mesmo quando promete o que não pode. o que muito possivelmente acontece porque foi movido pelo entusiasmo sincero de querer contribuir. isto não aconteceu só com você. tem gente devendo um montão de material pro jeg.
voltando ao que interessa, concordo plenamente com você, quanto a necessidade de informações para que as pessoas usufruam do seu muar sem ter que alterar a configuração original, o que em princípio é bem mais interessante. a falta de informação - e não só de dinheiro, como muita gente pensa - leva as pessoas a descaracterizar o jeg por não saber que peças usar. e tome improvisação, algumas exdrúxulas. o meu, por exemplo, veio com as lanternas traseiras comumente usadas em piscas de caminhão, e que também equipam o troller. ora, as originais, são redondas(e não quadradas) e são também sinaleiras de camihnão. só que muito mais em conta, e com design mais adequado. os bancos também vieram alterados como bancos de opala, até confortáveis. mas caramba. os originais eram de fusca e ou mercedinha 608. aliás, sou daqueles que gosto do sentir a dureza do jeep. faz parte do pacote. se quisesse carro mais suave, não faria esta opção. posso até colocar mais espuma no banco. mas não quero mudar a configuração, o que não inclui, apesar de ser item de segurança atual, a possibilidade de colocar bancos com apoio de cabeça. a questão de manter original pode ter várias leituras. eu não quero chapa preta. por isso, diminui o banco traseiro, de tres lugares para dois, pra ficar mais jipe, ao tempo que reforçei a caixa de ferramentas que fica sob ele. é uma alteração, mas de certa forma sutil, diferente de colocar faróis quadrados, na frente e atrás ou mudar o formato da capota(a argus em recife confecciona com o formato original e muito bem feita).
enfim, jeg é jeg. é um muar. não é cavalo árabe. quem não entende nisso acaba ficando com um camelo. então, o bom é vê-lo andando. e quanto mais original possível, mas não no sentido do colecionismo estéril. há adaptações que não interferem na estética básica e o tornam mais confiável do que já é. para mim, decididamente é o que importa, já que o meu jeg é usado no dia-a-dia e uma vez por semana vai e volta a natal, perfazendo 200 km na média.
continue nos visitando portanto sem receio de maus sentimentos. e contribuindo quando assim puder.

Erik said...

Obrigado pelas belas palavras. Já que tocamos no assunto de originalidade vs segurança vs "jipe ou não?"

Concordo também. Eu to tentando adicionar itens de segurança e alguns itens que eu possa usar em viagens e que possam ser úteis. Como eu disse antes, tenho que poder fazer as minhas trilhas despreocupado e mantendo a confiança na robustez do meu Jeg que já me acompanha há tantos anos... Vc tocou num assunto complicado.. Eu não gostaria de ter que trocar os bancos mas ao mesmo tempo, gostaria de ter os bancos mais seguros com encosto pra cabeça.. Imagino que eu futuramente vá procurar bancos que não fujam muito à característica dos originais e mantenham a característica de simplicidade e ao mesmo tempo ofereçam maior segurança.. Aliás.. Se alguém tiver uma boa dica, terei a mente aberta e também posso dar a minha opinião no que for necessário.

A capota original ainda tenho.. Só a armação que não. Vou fazer uma capota semi conversível que simplesmente seja tão eficiente quanto a original mas seja fácil de remover, dobrar e guardar no porta-malas quando necessário.. Vou tentar manter ela parecida com a original em suas características aparentes... Só não sei a cor ainda. mas vou pegar o material mais resistente, escolher uma cor e depois pintar o carro futuramente se necessário, pois o meu Jeg já tem 26 anos de idade e foi feito pra durar.. Essa é uma das características que eu quero manter a qualquer custo.

Adoro fazer trilhas e admito que não há nada melhor do que você conseguir subir aquele barranco que nem todos os 4x4 conseguiram subir de Jeg ou gurgel.. Meu pai sempre lançava a frase: Compra um Jeg... Isso pra infelicidade e vergonha principalmente de quem investiu muito dinheiro num carro novo que supostamente é mais moderno e tem tração integral.. E quando vc ganha uma corrida por tempo em circuito de terra/lama/barranco misto então? Fica pior ainda...

Resumindo... Não quero um carro macio... A suspensão dura dá estabilidade e aumenta a durabilidade...
Não quero motor refrigerado à água...
Refrigeração à ar não ferve e não vaza água.. Radiador é só mais uma coisa pra me trazer problemas.
Pra que bancos modernos e novos com tecido macio?? Pra chupar toda a água de onde você passar com o carro e eventualmente mofar se vc esquecer e guardar o carro na sombra?
Tô fora...

Não quero injeção eletrônica... Carburador é muito melhor na minha opinião pra trilhas..

Não quero freio com acionamento hidrovácuo.. Mantendo o freio com acionamento hidráulico original não deixa o pedal molinho, mas funciona muito bem... Inclusive muito melhor que os sistemas modernos se o motor do carro morrer.

Imagina o Jeg morrendo num barranco.. Você ao mesmo tempo perdendo o freio que é dependente do motor nessa situação? Eu não..

Faróis eu troquei por Bi-iodo novos da kombi. Os originais eram da Kombi mas fracos.. Acho que trocando algumas peças por mais novas da mesma kombi não afeta muito a originalidade do veículo ao mesmo tempo que você melhora o carro tecnológicamente.

Então vai do bom senso de cada um... Pra que vocÊ quer o carro? Modernizar peças tem efeito negativo? Às vezes sim e às vezes não.

Posso continuar e continuar com esse tipo de argumentos sem parar... A minha conclusão é que o Jeg é o que ele é... Não é um carro pra passear no asfalto. Não é um carro para ser bonitinho. Ele é quadrado mesmo e com traços agressivos. Pode até paecer um caixote de papelão mas é muito bom pra trilhas e muito resistente. Quem não gosta dele como é, na minha opinião deve vender o carro mesmo para alguém que seja apaixonado pelo Jeg e pela sua função. Que faça as trilhas. Saia da estrada com ele! Coloque o pé na lama e a mão na graxa do motor quando necessário! Saia pra socorrer e ser socorrido.

Tá muito fraco esse lado do pessoal Jegueiro. Muita gente prefere realmente gastar dinheiro para fazer o Jeg virar o que ele não é... Eu sinceramente pago mais num que seja mais original do que no mais bonitinho... Me juntei faz pouco tempo ao grupo de trilhas Gurgel Guerreiro que foi citado no documentário da Gurgel. (procurem por "gurgel guerreiro" no youtube e também por "documentário gurgel") Assistam todos os vídeos. Do documentário são seis partes.

Quero muito ver mais Jegueiros se unindo ao grupo se possível. Eu ficaria muito feliz e tenho certeza que eles também.

Como Jegueiro me adotaram e receberam de maneira muito legal. Não é só pra Gurgel.. Esses nossos primos próximos nos aceitam numa boa e agora sinto que tenho companhia no meu interesse.

Ahh.. As lanternas traseiras originais do modelo do meu Jeg são da Kombi. Ainda são fabricadas, portanto muito fáceis de achar. Celso. fiquei curioso.. poderia tirar fotos das lanternas que vc mencionou na tua resposta?

Tem Jeg até com lanterna de gol quadrado (ar)... É original dos modelos mais novos?

Acho que tem mais uma coisa que devemos escrever à respeito.. Deveríamos fazer um artigo para homenagear quem salvou um Jeg abandonado/acabado. Por mais que a pessoa o tenha desoriginalizado, salvou um dos nossos animais de estimação preferidos.. Pense bem. É um a mais circulando.. mesmo que a pessoa tenha restaurado para vender pronto depois.
Por mais difícil que seja, o deixar mais próximo ao original um desses Jegs muito modificados, devemos lembrar que é possível e talvêz só seja possível por causa da pessoa que resolveu salvar o Jeg da desgraça e o reformou.
Acredito que essas pessoas mereçam uma medalha de honra!

[]'s à todos!

ereidler said...

Interessante.. Achei ese artigo:
http://quatrorodas.abril.com.br/carros/testes/conteudo_140820.shtml

Pelo que li lá.. Tirando as minhas próprias conclusões.. O Câmbio do FOX de 5 marchas serviria no JEG?

Pra mim se o Câmbio antigo da Kombi/Jeg servem na kombi nova com motor de FOX, o Câmbio de 5 marchas do FOX tem que servir no JEG, certo?