Wednesday, October 11, 2006

cccc ou comando de caça ao coronel catharino

são dezenas. quiçá centenas. jegs e seus proprietários que encheram-se de esperança ao lerem ou saberem através da reportagem publicada na revista fusca&cia de março de 2006(reproduzida aqui, há dois posts atrás) que o projetista do jeg, conhecido como coronel catharino, dispunha e manifestava-se disposto a negociar um lote de peças que mantinha, ou mantém, em galpão particular.

estranhando a falta de um endereço na reportagem, entramos em contato com a editora da publicação que nos informou que o coronel catharino negava-se a fornecer telefone ou quaisquer outra forma de contato e que havia revogado, para a nossa decepção, a sua declaração.

ainda assim isso não foi suficiente para nos demover da intenção de contactar o projetista. que pode dar uma contribuição importantíssima a uma comunidade fiel ao jeg. e, por que não? sua admiradora. e que gostaria de conservar ou restaurar o jeg em suas formas e conteúdos originais, daí a intenção da procura, que reveste-se de caráter de uma missão de sobrevivência. como militar ele deve saber bem do que estamos falando. ainda que muito provavelmente não vá achar graça nenhuma na chiste* expressa no titulo.

mas bem que poderia afrouxar a guarda, vestir uniforme de jegueiro e assumir o comando do batalhão com voz de líder às restaurações.
desde já o nosso grito de guerra é: pelo jeg tudo. é restaurar ou morrer. mas com honra. sem ceder posições às adaptações vexamosas e humilhantes como as que temos visto por ai.

* ccc, no tempo da ditadura era sigla para comando de caça aos comunistas. mas esta é outra história que não cabe neste blog.

2 comments:

Marcelo Marchiodi said...

Fala Celso!
Muito bom esse último post! Gostei!
Não esqueci do seu email não, estou me acertando aqui e logo farei o prometido, fique tranquilo!
Abraço e continue com o ótimo blog, sempre! O Jeg merece!

Erik said...

O Coronel Catharino mora em São Paulo mas ele está em outra fase da vida dele. Não acredito que ele esteja muito interessado nesse tipo de projeto.

Talvez o filho dele se interesse mais. É mais jovem.. Não o conheci direito e faz muito tempo isso.

O nome dele é Marcus ou Marcos e também mora em São Paulo. Vou chamar ele de Marcus por enquanto até descobrirmos se estamos certos, hehe.

Só sei que o coronel não vende o Jeg 4x4 da qt engenharia de jeito nenhum.. como já disse várias vezes em vários lugares.

A minha irmã tinha mais contato com o Marcus e o meu pai tinha mais contato com o coronel, atravéz de um amigo dele que trabalhava pro Catharino, por isso não sei dizer mais à respeito. Acredito que eu os consiga encontrar se necessáio mas pode demorar muito pois não estou morando no Brasil e nem a minha irmã. Pode demorar entre sei meses a dois anos pra qualquer um de nós poder ir pro Brasil e por isso eu digo que as coisas demoram. Então antes de perderem a paciência comigo e achar que é má vontade como um certo episódio à respeito de um certo manual (como muitos devem ter lido por aí), por favor entendam a situação.

Talvez eu possa ajudar sim mas não nas mesmas condições da última vez com direito a pau e pontapés. Espero que vocês planejem bem uma entrevista, com perguntas, sugestões, eventos de chat em tempo real ou seja lá o que querem fazer..

E vou avisando. Não é certeza que eu consiga uma entrevista com algum dos dois. Talvez não queiram mesmo ou tenham mudado de endereço e telefone.. Dificultando mais ainda os encontrar. Meu pai teve tb um amigo que trabalhou pra ele... É possível que esse amigo nosso possa dar informações à respeito de seu paradeiro também mas não é certeza. Não sei como está o nível de amizade entre os dois hoje em dia.

Agora.. uma coisa, não entendo. Pq raios ele quer deixar aquela fábrica com muitos carros abandonados lá dentro e esse jeg abandonado lá sem uso? Não faz sentido pra mim. Se ele veio ao mundo, pelo menos use o carro. Tá cheio de carros diferentes lá na fábrica. Tem um mecânico lá que conserta os modelos de Gol furgão utilizados em sua nova empresa.